Dia 11 (Conto)

IMG_0411Demorei onze dias para me conformar com a situação, é difícil acreditar, mas muitos de meus amigos e parentes também podem ter sido infectados….. estou em uma espécie de holocausto zumbi…. é como se o diabo cobrasse todas as dívidas de uma única vez……  não há comportamento humano em nenhuma parte….. e eu resolvi escrever esta carta para pessoas que por algum motivo, não foram contaminadas por essa……. “raiva”. Não importa se vai ser lido, nem quando vai ser lido, este diário é minha obrigação moral, no qual vou relatar os acontecimentos que presenciei nos últimos dias.

Meu nome é Dam, tenho um pouco mais que 30 anos, estou escrevendo para qualquer um que encontre..… faço isso porque ao amanhecer viajarei na direção norte em busca de abrigo dos “raiventos”, mas principalmente da solidão…… este é meu primeiro texto escrito desde o cataclisma que nos levou a barbárie…. 11 dias atrás… É a única contagem que me parece válida, já que não conseguirei ter certeza de qual dia da semana estamos sem olhar um calendário… Lembro que era um domingo e eu só queria curtir uma ressaca…. o acesso às comunicações eletrônicas já não existiam e eu saí em comida rápida e gordurosa.

As ruas desertas e o mercado com metade das luzes apagadas já chamavam a atenção…. no interior, haviam caixas espalhadas pelo chão e algumas gôndolas praticamente vazias. A recepção e os caixas estavam vazios, era como se todos tivessem sumido, nesse momento encontrei um deles….. ao tentar um diálogo simples fui surpreendido com uma tentativa de soco e notei em seguida que estava com um dos braços lavados de sangue…….. corri e com sorte peguei comida e água. Havia outros que não me seguiram para fora do prédio, tem algum problema com a luz….. no estacionamento uma cena era familiar, um carrinho deixado em meio aos automóveis….

Decidi ir até a casa de amigos na esperança de entender a situação, mas sem sucesso…. a única coisa que encontrei eram louças para lavar e mais alguns suprimentos…. me escondi nesta biblioteca para passar a noite…. estava intacta, gritos podiam ser ouvidos do lado de fora…. selvagens….. animalescos…. aterrorizantes….. passou a ser minha rotina, talvez não seja a única segura, mas não pretendo arriscar…. saio enquanto o sol está brilhando e volto pra cá…. onde deixarei uma cópia desses relatos…..

Um carro em uma garagem com a chaves penduradas na porta….. alguns galões para carregar mais gasolina….. uma pistola em uma viatura policial abandonada….. muitos snacks em residências vazias tem sido o que eu consegui acumular…. os raiventos estão concentrados em mercados, conveniências, shoppings, galerias etc…. não há mais energia elétrica fazem seis dias e a água não escorre mais da torneira há três…. mas vou resistir…. continuar procurando pessoas como você, que porventura está lendo este relato….

Vou em busca de vida inteligente a partir de amanhã… sempre na direção norte e sempre durante o dia…. procurando outros prédios que possam servir de abrigo…. acumulei 4 galões de gasolina e comida o suficiente para duas semanas….. e papel e caneta…… a humanidade ainda reside em algum lugar..… se alguém está lendo este relato……. estou em busca de respostas e companhia….. espero poder encontrá-lo……..

 

Abraços…

DAM…..

Anúncios

Um comentário em “Dia 11 (Conto)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s